BRASIL, SEMPRE O NÚMERO 2.

3
148

xfinal-de-2012-afp.jpg.pagespeed.ic.1nPFZ3XoDZ

Ontem, li uma extensa matéria sobre os oito anos do governo do ex-presidente Barack Obama (2009-2016). No período, o único presidente negro da história daquele país não protagonizou nenhum escândalo. Todas as suas decisões foram tomadas de forma republicana e transparente.

A família Obama saiu da Casa Branca com a cabeça erguida, e hoje aproveita as “férias” de forma leve e tranquila, com enorme respeito da população.

933703_01_02-1540313

De forma inversa, no Brasil os escândalos envolvendo políticos são diários.

Ontem, a bomba da vez recaiu na maior autoridade constituída do país, o presidente da República, excelentíssimo senhor Michel Temer.

Consoante declarações do empresário Joesley Batista à procuradoria Geral da República, o presidente teria compactuado para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O silêncio custaria R$ 500 mil por semana durante 20 anos. A Polícia Federal teria gravado ao menos uma das entregas.

O empresário também disse que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) lhe pediu R$ 2 milhões, valor a ser usado para pagar sua defesa na operação Lava-Jato. A conversa com o pedido foi gravada, bem como a entrega do dinheiro, feita a um primo do senador e ex-candidato a presidente em 2014.

Joesley afirmou ainda que o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, era seu contato no PT para a distribuição de propina a petistas e aliados. Mantega também atenderia a interesses da JBS e da J&F no BNDES.

As informações foram trazidas em primeira mão pelo site do jornal O Globo, e imediatamente se espalharam pelo Brasil e pelo mundo. Ontem mesmo centenas de pessoas foram à Avenida Paulista protestar, assim como ao Palácio do Planalto. Empunham cartazes de “Fora Temer”.

PITACO DO TIO – O que acontecerá daqui pra frente é totalmente incerto. A população clama por uma renovação completa na classe política e no sistema. Não sabemos como as autoridades se comportarão quanto a isso. O presidente Michel Temer, por exemplo, já anunciou que cumprirá sua agenda normalmente, como se nada tivesse acontecido. Por outro lado, o deputado federal Alessandro Molon, da REDE, já protocolou um pedido de impeachement.

Ainda não houve nenhuma manifestação por parte da cúpula do Judiciário.

O Brasil vive dias de intensa tensão na política. Pelas redes sociais podemos sentir a insatisfação popular com a nossa classe política. O sentimento é de descrédito total e de busca por uma renovação total, expurgando tudo que está aí.

O brasileiro chegou ao seu limite da tolerância.

3 Comentários

  1. LIMITE – Tava pensando nisso também! Mesmo que tenha chegado, vai ter que aguentar mais, eu acho.

  2. No nosso estado temos vários acusados, e todos praticamente já disse que são candidatos porque ?. SÃO TOTALMENTE HONESTOS E MERECEM OS VOTOS DO POVO DO RN, PARA CONTINUAR TRABALHANDO PELO NOSSO ESTADO E QUE TODAS AS ACUSAÇÕES CONTRAS ELES SÃO FALSAS. AMALDIÇOADOS PARA SEMPRE ESSA CORJA MALDITA, ENQUANTO ISSO O POVO SOFRE E MORREM NOS HOSPITAIS AS CRIANÇAS NÃO TEM ESCOLAS E SOMOS ASSALTADOS TODOS OS DIAS PELOS BANDIDOS DO DIA A DIA E POR ESSES AMALDIÇOADOS POLÍTICOS. Desculpas pelo desabafo, é a indignação total que fala por mim. Um abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome