Racionalidades – 65ª edição.

2
987

BOLSONARO NA ONU – Na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), os chefes de estado e governo procuram “vender” seus países para o mundo, enumerando suas potencialidades etc. Além disso, informam como seus países podem ajudar a resolver alguns problemas mundiais. Bolsonaro não fez uma coisa, nem outra.

O presidente brasileiro adotou o mesmo discurso que usa para manter viva sua militância: ameaça socialista, ideologia de gênero, soberania, patriotismo, exaltação à ditadura militar, família tradicional etc. A impressão que passou ao mundo é que ele está deslocado no tempo. Fala como se estivéssemos nos anos 60.

*

FORO DE SÃO PAULO – O presidente, no discurso na ONU, se referiu ao Foro de São Paulo como uma organização criminosa. Na realidade, trata-se de um grupo criado para, de tempos em tempos, discutir os caminhos da esquerda no continente sul-americano. Nada demais. Todo grupo político discute seu futuro, ou não?

O Tea Party, por exemplo, é um movimento nos Estados Unidos que congrega os integrantes da extrema-direita. Nunca vi ninguém chamando o Tea Party de organização criminosa, até por que não é. Eles têm o direito de se reunirem e traçarem metas para o futuro, assim como a esquerda etc.

*

AMAZÔNIA – O presidente disse que a Amazônia continua praticamente intocada. Todo mundo sabe que isso é mentira, que várias áreas do tamanho de um estádio de futebol são devastadas todos os dias, e há muitos anos. De 1970 até os dias atuais, 18% da Amazônia brasileira já foi desmatada.

 Essa mentira é ruim, pois faz o Brasil perder credibilidade junto à comunidade internacional, e ninguém quer fazer negócios com quem não é confiável.

*

LEÃO – A galera não sabe nem inventar boato. Essa semana correu a notícia de que havia um leão solto nas ruas de Mossoró. No Brasil só existem leões em zoológicos e circos, e em nossa cidade não há zoológico e nenhum circo com leão.

O leão é um animal que habita algumas áreas da África e da Ásia. No Brasil, onde eles inexistem, o rei da selva é a onça-pintada.

*

AMAZÔNIA 2 (HISTÓRIA) – Nos anos 70, os governos militares decidiram incentivar as vítimas das secas do Nordeste a se mudarem para a Amazônia. O plano era enviar os “homens sem terras” para a “terra sem homens”. O lema dessa campanha era “integrar para não entregar”. Já naquele tempo tinha essa obsessão de que outros países poderiam ocupar e tomar a nossa floresta.

O governo orientou os donatários a devastarem suas áreas para formar pastagens. A fim de comprovar que eles realmente estavam desmatando, o governo contratou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para tirar fotos da região, ou seja, o trabalho inicial do Inpe era saber se a Amazônia realmente estava sendo desmatada.

*

AMAZÔNIA 3 (ECONOMIA) – Algumas correntes alegam que o desmatamento é o preço do crescimento econômico. Não, não é, muito pelo contrário. Mais de 90% do desmatamento na região é ilegal, mais relacionado à grilagem de terras e ao crime organizado. As cidades campeãs em desmatamento possuem os IDHs mais baixos da Amazônia.

O que aumenta o PIB é a agropecuária sustentável e controlada, como a da soja, não o desmatamento ilegal.

*

PARCEIRO – As eleições na Argentina são muito importantes para o Brasil. O país é nosso terceiro maior parceiro comercial, atrás apenas da China e dos EUA. Em 2018 exportamos US$ 14,9 bilhões e importamos US$ 11,05 bilhões.

Exportamos para a Argentina veículos e peças automotivas (49,5%), máquinas (13,5%), plásticos e borrachas (6,5%) e produtos químicos (6,5%); e importamos do país veículos e peças automotivas (39,8%), produtos agrícolas (20,8%), plásticos e borrachas (8,3%) e produtos químicos (6,9%).

*

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO – No último sábado (21) o PR dix-septiense, comandado pelo ex-prefeito Gilberto Martins, realizou reunião de filiação na casa do vice-prefeito Sanimarcos Firmino, que também está no partido. Na oportunidade houve o anúncio de algumas pré-candidaturas ao cargo de vereador. O Pr. João Batista foi um dos presentes. O grupo está animado com as novas filiações e o engajamento de algumas lideranças.

*

GUSTAVO NEGREIROS, O HISTÉRICO. – Nessa semana, o radialista Gustavo Negreiros disse, num programa na 96 FM, de Natal, que a ativista mirim Greta Thunberg estava precisando de sexo – com homem ou mulher – , que era mal-amada, que a imprensa a destacou pois gosta de qualquer porcaria, além de sugerir que ela fumava maconha. Greta, que é autista, tem 16 anos.

Mesmo rechaçado ao vivo por uma colega de bancada, o radialista não cessou as agressões. Imediatamente o assunto ocupou as redes sociais. Foi o fato ocorrido no estado mais comentado no Brasil em 2019.

No meio da avalanche, três empresas anunciaram que não mais patrocinariam o programa onde a parvoíce foi dita. O diretor da rádio, um pouco tardiamente, publicou um vídeo dizendo que sua emissora não concordava com aquele tipo de comportamento, mas não anunciou a demissão do jornalista, que também é advogado.

O jornalista chegou a pedir desculpas, mas elas não foram nada convincentes, especialmente por causa da nota irascível e cheia de ódio que ele publicou horas depois. É notório que ele pensa exatamente aquilo que disse, até porque não é a primeira vez que ele o faz. Algo parecido ele havia dito num programa de TV.

Lamentável o Brasil ter chegado nesse nível de imbecilidade, de sordidez. Como pode parte da população atacar uma menina autista de 16 anos pelo simples fato de ela defender o meio-ambiente? É difícil entender.

Rogo que esse caso sirva de exemplo, não para o jornalista – que me parece ser um caso perdido -, mas para aqueles que vagam por aí com sentimentos ruins de ódio.

Defendam suas colorações partidárias, mas sem ódio, sem agressão, sem xingamento, sem homofobia, racismo, misoginia etc. A solução para o nosso país passa longe desses sentimentos.

*

REINCIDENTE – Não é a primeira vez que Gustavo Negreiros se mete em polêmicas. Ele, que é mossoroense de pia, certa feita escreveu no Twitter que o melhor das viagens que fazia a Mossoró era a volta pra Natal. Na época foi até ventilada a ideia de a Câmara Municipal de Mossoró dar-lhe o título de persona non grata, mas o caso não foi adiante – pela desimportância do agente.

*

BURRICE – Em 1958, o governo chinês incitou a população a matar os pardais, pois estes comiam os grãos que poderiam alimentar a população. Estima-se que um bilhão de pássaros foram mortos no período de um ano. Com pardais a menos, os gafanhotos se proliferaram, e então devastaram plantações, acarretando a Grande Fome Chinesa, que matou milhões de pessoas.

Essa e outras histórias são contadas no livro: “Humanos: Uma Breve História de Como F**emos com Tudo”, do jornalista inglês Tom Philips.

*

SOLIDÃO – Viver sozinho, sem muito contato com outras pessoas, pode causar muitos problemas de saúde. Quem mora só tem 29% mais chances de sofrer doenças cardíacas, 32% mais risco de ter um AVC e são 200% mais propensos a desenvolver Alzheimer.

A solidão é mais letal do que a obesidade e o alcoolismo e tão nociva quanto o tabagismo. Viver sozinho faz tanto mal quanto fumar 15 cigarros por dia.

O isolamento faz o corpo aumentar a produção de cortisol, o que desequilibra e enfraquece o sistema imunológico, além de causar inflamações em vários tecidos do corpo.

Segundo um estudo da psicóloga americana Julianne Holt-Lunstad, a solidão crônica aumenta em até 50% as chances de morrer.

*

LISTA TRÍPLICE ESCOLHIDA – O Pleno do Tribunal de Justiça definiu em eleição, na sessão de quarta-feira (25), os nomes dos advogados da lista tríplice para juiz efetivo do Tribunal Regional Eleitoral, classe jurista. Os três escolhidos foram, por maioria de votos, 1º) Fernando de Araújo Jales Costa, 2º) Wlademir Soares Capistrano e 3º) José Willamy de Medeiros Costa.

A lista definida pelo TJ seguirá para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e em seguida para a definição de quem será o escolhido pela Presidência da República.

*

CURIOSIDADE – O número de alérgicos em países subdesenvolvidos é bem menor, relativamente, do que nos países do primeiro mundo. Um exemplo: na Tailândia, só 1% da população tem algum tipo de alergia. Nos EUA essa percentagem é de 7,6%.

Por falar em alergia, ela é classificada por níveis, de 01 a 06. Neste último nível, o mais severo, a pessoa alérgica não pode nem ao menos frequentar um restaurante onde há no cardápio o alérgeno (a substância que causa alergia). O simples odor ou fragmentos já causa reações.

*

OS HIPOPÓTAMOS DE ESCOBAR – Atualmente, a Colômbia abriga cerca de 40 hipopótamos, o que é bastante estranho, vez que esses animais são nativos da África.

Tudo começou no início dos anos 80, quando o narcotraficante Pablo Escobar botou na cabeça de montar um zoológico particular com espécies exóticas. Da África vieram, entre outros, quatro hipopótamos, que se adaptaram muito bem à Colômbia, especialmente por inexistirem leões e crocodilos, seus predadores naturais.

Para montar seu zoológico particular Escobar gastou US$ 55 milhões, a maioria da quantia usada na difícil logística de trazer animais em navios e aviões. Do Brasil ele comprou uma ararinha-azul por US 300 mil, além de botos cor-de-rosa.

Os 04 hipopótamos se transformaram em 40 e hoje representam um sério problema para as autoridades colombianas, que não sabem o que fazer com os animais. Todas as opções (abate, castração, devolução etc) encontram empecilhos para sua concretização.

OBS. O zoológico de Escobar não tinha jaulas ou áreas reservadas, os animais eram criados soltos numa enorme área rural.

*

A ORIGEM DAS RELAÇÕES ESPÚRIAS – Em 1969, o presidente militar Arthur da Costa e Silva assinou o decreto nº 64.345, que proibiu empresas estrangeiras de realizarem obras de infraestrutura no Brasil. Foi o primeiro ato dessa lua-de-mel entre Estado e empreiteiros.

O decreto em tela só foi revogado em 1991, pelo então presidente Fernando Collor, mas aí o estrago já estava feito. O esquema já estava enraizado.

*

SUGESTÕES/CRÍTICAS – Esta coluna é atualizada às sextas-feiras, sempre às 04h59. Sugestões e críticas podem ser enviadas para o número 99648-2588 (WhatsApp).

2 Comentários

  1. Erasmo porque vocês jornalistas têm dificuldades em falar ou escrever uma simples palavra como Merda ou Fudemos ? todos já conhecem essas e outras palavras que antigamente eram palavrões hoje não é mais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome