NEM LULA, NEM SABRINHA SATO, NEM QUALQUER OUTRO

8
99

protogenes_no_uol

 Para mim, o brasileiro do ano foi o delegado Protógenes Queiroz. Ah! Se todos fossem iguais a ele.

E qual o mossosoroense do ano? Por quê?

8 Comentários

  1. Acho que as pessoas do ano, foram todas aquelas que de certa forma contribuíram para ajudar o próximo. Você Erasmo como todos os outros que tiveram a idéia de ajudar ao abrigo. A de reunir pessoas do bem para uma confraria que espero que nós possamos ajudar muito e muito mais.

    Desejo a todos um Natal repleto de saúde e paz e que o menino Jesus possa iluminar o lar de todas as famílias do mundo inteiro.

  2. Foram dois uma mulher e um homen pois ambos fuderam o povo de Mossoró, acabou o alto da liberdade, o futebol de Mossoró, o São João, quase acaba a festa de Santa Luzia, apagou as luzes da festa de natal, fechou unidade base de saude, então Fafa e Gustavo ganham ou não o premio.

  3. Caro Tio Colorau, qaunto ao brasileiro do ano de manieira nenhuma há necessidade de se falar no nome do barbudo mais famoso e revolucionário da história deste país, mesmo porque ele de há muito já se tornou hours concurs (Desculpem, não sei falar e muito menos escrever na lingua dos Ianques), no caso, ele apenas é o simbolo maior de todas as transformações acontecidas nos últimos vinte em nosso país.

    Quanto ao nosso Protogenes, sem dúvida nenhuma é um homem de grande valor e, que fez e vinha fazendo um grande trabalho a frente da Polícia federal, assim como Paulo Lacerda e outros que continuam igualmente trabalhando em favor do combate a corrupção em todas as áreas da sociedade brasileira.

    E não esqueçamos, mesmo a despeito do desalento, da perseguição e dos repetidos “desacertos” advindos das decisões do nosso obscurantista e autoritário judiciário que continua enxergando algemas, liberdade provisória habeas corpus e outros instrumentos jurídico-físicos tais e quais, apenas quando figurões da política e do grande empresariado, de alguma maneira são importunados por qauiquer investigação que possam ao fim e ao cabo levá-los as barras dos tribunais e quem sabe um dia a condenações pecuniárias e de prisão.

    Prisaõ, tortura, julgamentos tortuosos, cumprimentos de pena sem sentença e outras aberrações tão cotidianas da nossa e na nossa “segurança jurídica”, algo absolutamnete comum e corriqueiro àqueles que tendo cometido crimes ou não, não posuem dinheiro e muito menos influência política juntamente com um bom advogado para lidar com o recursivo, intricado, formalista e tendencioso arcabouço jurídico brasileiro.

    Quanto ao brasileiro do ano, poderia nominar inúmeras pessoas de todas as classes sociais, religiões, etnias e (ou) raças, porém, prefiro eleger a grande maioria da sociedade brasileira que paulatina e gradativamente está aprendendo que o que temos de melhor está aqui mesmo, junto com todas as virtudes, riquezas- misérias, vicissitudes, limitações e grandezas.

    O brasielrio meu caro, está finalmente conseguindo compreender que o processo de transformação de que tanto este país precisa e está fazendo florecer, está dentro do coração e na convicção de que, se somos verdadeiramente um país rico de maioria pobre, depende fundamentalmente da maioria dos brasileiros se concientizar que a revolução que tanto precisamos está dentro de cada um de nós.

    Um abraço

    CARO TIO COLORAU…..ERASMO CARLOS TREMENDAÕ……

    SUELDO

  4. É verdade, e para confirmar que em seu calvário não haviam segunda(aparecer) ou terceira(sensibilizar a população) intenções, ele não deverá ser candidato a nenhum cargo político em 2010.

  5. Sem hipocrisia, e sem demagogia, se fosse uma eleição votaria para mossoroense do ano no Padre Flávio, isso se ele já recebeu o titulo de cidadão mossoroense, pois sei que nasceu na acolhedoura Severiano Melo.

    Para justificar o meu voto, aponto a missão recebida em comandar (e brilhantemente as festas de Santa Luzia), ante ao falecimento do Monsenhor Américo Simonete, que durante décadas comandou a nossa festa, e sobretudo em conseguir equacionar a irresponsável redução do apoio que o município de Mossoró dava a festa. (devidamente registrado pelos devotos, na sonora vaia recebida pela prefeita nos primeiros minutos do dia 13/12).

    Já para pessoa não grata do município, ficaria “em cima do muro”, e só na urna decidiria, pois se Gustavo comanda, Fafa é quem assina, um dos dois seria o eleito, não só pela redução na festa de Santa Luzia, mas também pela escuridão natalina, e tantos outros males causados a nossa cidade.

    Por fim registro, que acompanho diariamente esse espaço, ante a comprovada seriedade do jornalista que costumei chamar Tio Colorau (como quase todos em nossa cidade), sempre sereno e objetivo, respeitando a tudo e a todos, quando em muitas vezes até não seria necessário, pois apenas expunha a sua opinião.

    Paulo Melo
    Advogado

  6. Se todos fossem iguais à Protógenes… certamente viveríamos num país policialesco, com forte viés facista.

  7. Mesmo a despeito da minha profunda ignorância jurídica e ploítica, ouso discordar do eminente Jurista-Advogado Doutor Olavo Hamilton. Há um aforisma muito conhecido caro Olavo que nos diz que o hábito faz o monge, no caso, há por parte de grande parcela da sociedade brasileira quando envolvida em quaisquer processo investigatório e (ou) de persecução criminal, usar da imprensa e das instituições como a OAB, por exemplo, para se dizer perseguida e bradar aos quatro cantos que o Estado (Não esqueçamos que históricamente só puniu, prendeu-julgou-prendeu o famoso três PPPÊS…) está usurpando das suas atribuições legais e constitucionais para procurar um bode espiatório, fazer manchetes, usar da mídia para mostrar serviço e outras quinquilhárias verbais, que fato, nada tem a ver com o que de fato acontece atualmente, um mínimo de independência funcional e institucional no real combate a corrupção e outros inúmeros crimes afetos aos chamados colarinhos brancos….

    Cabe especialmente referendar que a nobre e indispensável profissão de advogar, não implica necessariamente olvidar a nossa histórica realidade poLítico-jurídica através da influência do tráfico e do tráfico da influência e das filigramas processuais tão peculiares a roda que gira em favor da eternização do processo e que ao fim cabo redunda na completa absolvição dos maiores e verdadeiros criminosos deste país.

    E, não esqueçamos, criminosos esses, especialmente os que possuem e que têm acesso ao patrimonialismo como ideologia, ao conhecimento, as informações e a educação básica quanto aos seus direitos e deveres dentro de um Estado Democráticao de Direito.

    Quanto ao aparente medo… expressado quando da arguição de fascismo pelo nobre advogado, faz-se necessário afirmar-lhe que maneira alguma existe ou existiu em algum momento da nossa história, período em que possamos ter vivenciado um real Estado facista dado especialmente a nossa origem histórica e sobretudo por temos criado primeiro o Estado e, ainda em pleno seculo XXI estamos tentando estruturar-mos uma nação.

    A respeito do fascismo, algumas breves linhas dissiparão por completo o mêdo e a aparente ignorância do nobre causídico sobre o assunto, senão vejamos:

    Como sabemos, o fascismo como ideologia e (ou) filosofia política implantada e praticada dentro de um determinado Estado, foi digamos primeiramente como o sistema politico implantado por Benito Mussolini na Itália e que tinha por emblema o feixe (fascio) de varas dos antigos lictores romanos.

    O Fascismo apresentava as seguintes características:
    — Totalitarismo ( O Estado decide pelo indivíduo)
    — Nacionalismo ( opondo-se ao internacionalismo)
    — Idealismo (a Itália é a herdeira do Império Romano)
    — Militarismo (Invasão e domínio de Estados indempendente vizinhos).

    Quem conhece um mínimo da nossa história política e jurídica, constata claramente não haver nela, provas e, nem sequer indícios dessas aludidas características no exercício político ideológico dentro do Estado brasileiro, que de há muito foi e é basicamente um Estado comandado por meio dúzia de empresários e latifundiários desde as nossas origináriias sesmarias, capitanias herreditárias etc….etc…e tal.

    A preocupação expressada pelo Douto Olavo Hamilton, data vênia é deveras infundada e dispensável, pois no caso, o dígno, valoroso e obstinado policial federal Protógenes, apenas cumpriu com o seu dever de servidor público ao investigar inúmeras e intocáveis figuras do mundo da alta criminalidade tupiniquim, antes, como sabemos, absolutamente inpunes e imunes dentro do arcabouço jurídico-político nacional que, como sabemos, foi históricamnete construído para jamais incomodá-los.

    Porém atualmente e, após basicamente trinta anos de ditadura, a tenra democracia que estamos a vivenciar gradativamente (principalmente após o início do governo do presidente LULA) a oxigenação democrática e a indispendência funcional das instituições que necessariamente passam a investigar e a dar visibilidade aos que de fato, históricamente roubaram e se apropriaram do Estado brasileiro para meros fins individuais, oligarcas e patrimonialistas.

    Um abraço, caros colegas…amigos>>>!!!???

    Espero de alguma maneira ter colaborado com o debate ou a debacle……

    FRANSUELDO VIEIRA DE ARAÚJO.

    //// Espero ter ajudado///

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome