G7: O FIM DE UMA DOCE ILUSÃO

8
129

“A política arruína o caráter” (Otto Von Bismarck)

Ontem, a sociedade mossoroense viu estarrecida o desmoronamento do G7, grupo de SETE vereadores não alinhados ao Executivo.

Esperava-se que nesta legislatura a Câmara Municipal fosse mais independente, vez que o placar seria de 7 a 6 em desfavor da prefeitura.

Não é isso que se apresenta no horizonte.

Na sessão de ontem, dois dos SETE vereadores, aproveitando-se do fato de a votação ser secreta, traíram o grupo e votaram de acordo com os interesses do Executivo.

Como nem todas as votações são secretas, as próximas sessões dirão quais foram estes vereadores.

 untitled

A foto acima mostra os sete vereadores. Destes, quatro mostraram suas cédulas e declararam seus votos. Foram eles: Lahyre Neto (PSB), Jório Nogueira (PDT), Silveira Jr. (PMN) e Genivan Vale (PR).

Assim, dos três remanescentes, Daniel Gomes (PMDB), Zé Peixeiro (PMDB) e Ricardo de Dodoca, DOIS mudaram de lado.

Quais foram?

Analisando atentamente a foto, vemos que os três – que estão juntos – são os únicos que não “encararam” a máquina fotográfica de frente.

Mensagem subliminar?

OBS. A imagem acima foi extraída do blog do economista Carlos Escóssia (www.carlosescossia.com)

8 Comentários

  1. Se apertarem o Mala (segundo da esquerda para direita) ele abre a tampa, digo, o bico.

  2. o sujeito para ter carater tem que votar do jeito que vocë quer? nao entendi o por que usar frase do alemáo, nao entendi mesmo. Isso e PARCIALIDADE.

  3. Lauro José Duarte Filho, vc não soube ler ou não está atualizado, é que os quatros vereadores que “eram” dá situação firmaram um acordo e prometaram seguir uma postura tal. Pois que votaram como combinado na hora que os votos não eram secretos e logo em seguida votaram diferente de combinado quando o voto não precisava ser revelado. A questão não é vota contra ou a favor, e sim, não ter compromisso com o grupo e nem com os servidores. Mudou-se ou mudaram-se os votos de acordo com os benefícios próprios, em troca de emprego para a família em cargos comissionados da prefeitura. Entendeu? ou quer que eu desenhe. rsrs.

    Tio, parabéns pela imparcialidade.

  4. Pelo “semblante” dar para identificar o JUDAS nesta história. Observe o sorriso aberto dos 04 que declararam o voto. Depois o meio sorriso dos 02 que votaram secretamente e então veja a cara sizuda do que traiu os funcionários públicos no caso do FGTS.

  5. O problema é que metade da cidade é da turma da boquinha. Ou tem amigos ou parentes na dita turma. Ninguém quer saber se a prefeitura tem que pagar, não tem, o que diz a decisão judicial, se diz alguma coisa. O fato de haver a emenda dos vereadores não quer dizer que há o direito líquido e certo dos servidores. Ou seja, o público que se dane, que venham os interesses particulares. E a Câmara, prezado Colorau, é composta por 13 vereadores, e não 2 grupos indivisíveis: o G7 e o G6. Se a prefeita fosse Larissa, por exemplo, vc acha que Lairinho iria estar do lado de quem? Dos servidores públicos ou da prefeitura? Em suma, não se tratam de interesses legítimos, mas sim de interesses circunstanciais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome