Racionalidades – 86ª edição.

0
134

VIZINHANÇA INSATISFEITA – Na semana passada a prefeitura decidiu que a Escola Municipal Leôncio José de Santana, conhecida como Colégio Evangélico, deverá servir de abrigo para as pessoas que se encontram em situação de rua, isso durante a pandemia do Coronavírus.

A ideia da prefeitura é louvável, afinal essas pessoas precisam de abrigo e alimentação. Ocorre que nem Jesus Cristo conseguiu agradar a todos, como diz o ditado.

O colégio, apesar de localizado no centro, está numa área bem residencial, com inúmeras famílias na vizinhança. Um dos moradores do setor entrou em contato com o blog para demonstrar insatisfação com a decisão, e acrescentou que seus vizinhos comungam do mesmo pensamento.

Ele alegou que entre os moradores de rua há muitos drogados, e que não raro eles furtam e roubam para manterem o vício. Argumentou ainda que eles podem cometer qualquer tipo de crime, vez que ficam fora de si quando estão sob o efeito da droga.

Como solução, o leitor sugeriu que usassem o Ginásio Pedro Ciarlini para tal fim, o que não seria a primeira vez, pois aquela estrutura já foi utilizada para abrigar tropas das Forças Armadas. Além disso, ele não está localizado numa área residencial.

Realmente, o leitor tem razão em todos os seus argumentos. Penso que a mudança seria bom pra todos.

*

FARMÁCIA – Desde o início da semana já está funcionando a Potiguar Farmácia e Drugstore, na Avenida João da Escóssia, Nova Betânia, onde funcionou o BOB’s Drive-Thru. Seu diferencial é que funciona 24h, além do serviço drive-thru, inédito em Mossoró.

Mossoró realmente está precisando de farmácias que funcionem 24h. Antes da Potiguar, a única aberta todas as horas era a unidade da Pague Menos no Centro da cidade.

 *

MEDICAMENTOS – Quem faz uso de remédios fornecidos gratuitamente pelo governo tinha que ir todo o mês à farmácia e renovar a receita a cada seis meses, mas com a pandemia do Coronavírus as regras foram alteradas para facilitar a vida dos beneficiados. As receitas passaram a valer por um ano e agora o paciente recebe medicamentos para três meses. De parabéns o Ministério da Saúde. Esse Mandetta (e não Mandela) é bom.

*

CORONAVÍRUS – Nestes dias, zapeando pelo YouTube, encontrei o vídeo de um rapaz dizendo que o cotidiano das cidades deveria continuar normalmente, apesar da pandemia do Coronavírus, que a taxa de letalidade é baixa, que algumas mortes seriam inevitáveis, mas era melhor isso do que se render ao desejo da China, que criou este vírus para enfraquecer o mundo e se tornar a maior potência mundial, e consequentemente implantar o socialismo/comunismo no planeta Terra.

Ele disse ainda que a morte não deveria ser tão temida, que se trata de algo natural, que todo mundo um dia irá morrer.

Pois é, tem gente que pensa assim.

*

BOLSONARO X MANDETTA – Ontem, em entrevista ao programa Pingo nos Is, da Jovem Pan News, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que há algum tempo vem se bicando com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), e que este precisa ter mais humildade, precisa ouvir o presidente.

Disse ainda que não demitirá o ministro no meio do “combate”, mas que nenhum ministro é “indemissível”.

*

ISOLAMENTO SOCIAL – Na mesma entrevista, o presidente disse que é um absurdo proibir o povo de ir à praia, e que ficar em casa, num quarto, é até mais perigoso, pois na praia as pessoas estão ao ar livre.

*

FAKE NEWS – O presidente falou que no Brasil não morreu ninguém abaixo de 30 anos de COVID-19. Morreu sim, um potiguar de 23 anos, o que foi amplamente divulgado na imprensa nacional.

*

BOMBA – Bolsonaro falou ainda que até a semana que vem baixará um decreto reabrindo o comércio, e que “seja o que Deus quiser”.

*

DESCONTO – Ao menos uma escola particular de Mossoró entendeu a aflição dos pais e concedeu 20% de desconto nas mensalidades enquanto perdurar a pandemia do Coronavírus. O desconto é automático, bastando ao pai, quando do pagamento, diminuir a percentagem no valor da mensalidade.

A direção da escola, contudo, pediu aos pais não atingidos financeiramente pela pandemia que paguem a mensalidade na íntegra.

*

ACERTO DE CONTAS COM O LEÃO – A Receita Federal estendeu o prazo para a declaração do imposto de renda 2020, exercício 2019. Passou de 30 de abril para 30 de junho.

*

PODERIA LER MAIS – O brasileiro lê, em média, 4,96 livros por ano, segundo o Instituto Pró-Livro. Na França, a média é de 21 livros/ano.

Ando em muitos lugares e converso com muita gente, e realmente noto que são poucos os que se debruçam sobre um livro, especialmente agora, nestes tempos de redes sociais. O povo passa o dia no WhatsApp, Facebook, Instagram etc.

*

FALANDO NISSO – Encerrei esta semana a leitura de “Tormenta – O Governo Bolsonaro: Crises, Intrigas e Segredos”, da jornalista Thaís Oyama. Na obra, ela esmiúça o primeiro ano do governo Bolsonaro, tratando de todos os assuntos polêmicos, como o caso Queiroz, as divergências com aliados, as frases polêmicas, as relações internacionais, a influência dos filhos, as brigas internas etc.

A obra não traz nada de novo, a não ser uma ou outra informação de bastidores ou curiosidade, como o fato de o presidente receber os amigos e correligionários em seu closet, que ele julga o cômodo mais agradável do Palácio da Alvorada.

Trata-se mais de um livro para revisitarmos o primeiro ano do governo.

*

FRASE“Não puxem discussão de ideias. Investiguem alguma sacanagem do sujeito e destrua-o. Nós não discutimos para provar que o adversário está errado. Discutimos para destruí-lo socialmente, psicologicamente, e economicamente”. (Olavo de Carvalho, guru da extrema-direita brasileira).

*

NÃO ERRE MAIS! – Se hoje é quarta-feira e queremos anunciar um evento que ocorrerá no sábado, então o correto é escrever/dizer “no próximo sábado”; se hoje é quinta-feira devemos usar “depois de amanhã”; se sexta, “amanhã”; e se sábado, “hoje”.

Esqueça isso de “neste sábado”.

*

MAIS ATRAPALHA DO QUE AJUDA – O ex-senador Jorge Bornhausen costumava dizer que os parentes só devem entrar nos gabinetes dos políticos quando emoldurados em porta-retratos.

De fato, ele teve quatro filhos, e não deixou nenhum entrar na política.

*

TESTE FORÇADO – Com a pandemia do Coronavírus, o home office passou a ser utilizado em massa nas empresas e também no serviço público. Alguns patrões relutavam em aplicar este formato de trabalho – onde o empregado cumpre suas tarefas em casa – por achar que no aconchego do lar ele relaxaria e teria sua concentração desviada pelos filhos, cônjuge etc.

Com a situação atual, querendo os patrões ou não, o home office passou a ser a única alternativa. Será a oportunidade de testá-lo, mesmo forçadamente.

Caso dê certo, há uma chance grande de o formato passar a ser mais utilizado, o que traria inúmeras vantagens, tanto para o patrão como para o empregado, especialmente no quesito despesas, de lado a lado.

Em janeiro, antes da pandemia, 25% dos empregados brasileiros trabalhavam em casa ao menos um dia por semana, segundo levantamento da Catho. Destes, 72% diziam que desempenhavam melhor suas funções quando estavam em casa.

A tendência é que esta percentagem suba, isso se os empregados levarem a sério este formato e realmente cumprirem suas tarefas.

Até o trânsito agradece.

*

ONDE FOI A FARRA? – Ontem, bem cedo da manhã, coisa de 5h30, eu andava de bicicleta quando avistei, numa avenida da cidade, uma jovem estacionando o carro e saindo dele com jeitão de quem vinha de uma noitada. Aparentando uns 20 anos, a moça estava de calça jeans desabotoada, blusa parcialmente ensacada, sandálias à mão, cabelos desgrenhados, olhos lubrificados e olhar sem foco.

A cena não deixa de gerar curiosidade, pois, pelo que sei, bares, restaurantes e afins não estão funcionando. De onde danado aquela moça vinha?

*

PRA CHORAR – O filme Milagre na Cela 07 conta a história de um adulto com deficiência intelectual que é injustamente acusado de matar a filha de um alto comandante militar. Na prisão, todos percebem que o rapaz é inocente, mas o comandante não se rende às evidências. Com forte influência, ele consegue que o réu seja condenado à morte por enforcamento. No meio de tudo isso há a bela relação entre o jovem e sua filha.

É uma película muito emocionante, por várias razões, mas o que mais comove é a ingenuidade do acusado perante tudo o que está acontecendo, bem como sua relação com a filha.

Muito difícil assistir e não se emocionar. Tem na Netflix.

*

FALANDO NISSO – Sempre que eu ia me reportar ao serviço Netflix ficava na dúvida se usava masculino ou feminino. Se era “o Netflix” ou “a Netflix”. Sem ter muito o que fazer nestes tempos de isolamento, fui pesquisar, e então descobri um post oficial do site no Twitter dizendo que ela era “menina”, que o correto era a Netflix.

*

A ESPERA ACABOU – Desde às 04h já está disponível na Netflix a 4ª temporada da aclamada série La Casa de Papel. Assim como nas outras temporadas, esta também tem oito episódios. Vamos ver o que a turma do “professor” aprontará desta vez.

*

VÍTIMA OU VILÃO? – Não botava muita fé no filme Coringa (2019). Sempre me lembrava de assistir, mas desistia, imaginando que um filme com foco no vilão não poderia ser bom. Após tanta relutância, decidi assisti-lo.

Arrependi-me… de não ter assistido antes. O filme é muito bom, e Joaquin Phoenix realmente fez por merecer o Oscar 2020 de Melhor Ator.

O filme mostra o que levou um simples palhaço a se tornar um vilão, apesar de, neste filme específico, ele não ser apresentado exatamente como um vilão, pelo contrário, parcela da população o apoia e até se inspira nele. Não deixa de ser polêmico, vez que se trata do assunto “vítima da sociedade”, que divide bastante opiniões.

Assim como O Poço, que comentei aqui semana passada, Coringa também é um filme que desperta reflexão. Muito bom.

*

SUGESTÕES/CRÍTICAS – Esta coluna é atualizada às sextas-feiras, sempre às 04h59. Sugestões e críticas podem ser enviadas para o número 99648-2588 (WhatsApp).